quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Epílogo Bônus - A Princesa Mecânica

Contém Spoilers de A Princesa Mecânica

Algum tempinho atras li Princesa Mecânica da Cassandra Clare... Porque afinal, todos  todos os livros dela me deixaram fascinada e apaixonada... E achei em um site (que eu não lembro qual... #sorry) que a Cassandra tinha postado no Tumblr dela, um epílogo bônus para o livro... Li, e resolvi postar aqui no blog, porque andei comentando sobre isso no meu Instagram literário... E vieram perguntar mais... Trouxe para vocês aproveitem!

Atenção: A história contém Spoilers de A Princesa Mecânica e Cidade do Fogo Celestial e não é recomendada para menores de 16 anos.

                     Depois da Ponte (Jem + Tessa)
Agora é a hora do nosso conforto e plenitude
Esses são os dias que estivemos buscando
Nada pode nos tocar e nada pode nos causar mal
E nada mais dará errado

Keane - Love Is The End

Com o decorrer das coisas, Tessa tinha um apartamento próprio em Londres. Era o segundo andar de uma casa pálida em Kensington, e enquanto ela deixava os dois entrarem - sua mão tremendo levemente enquanto ela girava a chave - ela explicava para Jem que Magnus havia ensinado a ela como feiticeiros conseguiam casas ao longo dos séculos desejando as propriedades para eles.

"Depois de um tempo eu comecei a escolher nomes bobos para mim", disse ela, fechando a porta atrás deles. "Eu acho que tenho esse lugar com o pseudônimo de Bedelia Codfish."

Jem riu, embora sua mente estivesse parcialmente prestando atenção. Ele estava olhando o apartamento - as paredes foram pintadas com cores brilhantes: a sala de lilás, sofás brancos espalhados, uma cozinha verde-abacate. Quando será que Tessa havia comprado o apartamento, ele se perguntou, e por que? Ela viajava muito, por que estabelecer uma casa em Londres?

A pergunta secou em sua garganta quando ele se virou e percebeu que através de uma porta entreaberta, ele podia vislumbrar paredes azuis do que parecia ser um quarto.

Ele engoliu, com a boca repentinamente seca. A cama da Tessa. Era ali onde ela dormia.

Ela olhou para ele. "Você está bem?"

Ela pegou ele pelo pulso e ele senti seus batimentos saltarem sob seu toque. Até ele se tornar um Irmão do Silêncio, isso sempre acontecia. Ele desejou durante sua estadia em Idris, depois que o fogo celestial o curou, se aquilo continuaria a ser como antes: se seus sentimentos humanos poderiam retornar. Ele conseguiu tocar e ficar perto dela como Irmão do Silêncio sem estar desejando ela como quando era mortal. Ele ainda amava ela, mas era um amor de espírito, não de corpo. Ele pensava - com medo, que as sensações físicas e respostas não voltariam como ela voltaram. Ele disse para si mesmo que mesmo se o Irmão do Silêncio tivesse matado as suas habilidades de manifestar sentimentos fisicamente, ele não ficaria desapontado. Ele disse para si mesmo para esperar por isso.

Ele não deveria se preocupar.

No momento em que ele a viu na ponte, vindo em sua direção através da multidão, em sua calça jeans moderna e lenço, seu cabelo voando atrás dela, ele sentiu sua respiração ficar presa na garganta.

E quando ela tirou o pingente de Jade que ele havia lhe dado e o ofereceu timidamente, seu sangue ganhou vida em suas veias, como um rio sem nome. E quando ela havia dito, "eu amo você. Sempre amei e sempre amarei" ele se controlou o máximo para não beijá-la naquele momento. Ou fazer algo mais do que beijar.

Mas, se a Irmandade tinha lhe ensinado alguma coisa, era o controle. Ele olhou para ela agora e forçou sua voz com firmeza. "Um pouco cansado", disse ele. "E com sede - eu esqueço que agora preciso comer e beber".

Ela largou as chaves em uma pequena mesa jacarandá ao lado e se virou sorrindo para ele. "Chá", disse ela, movendo-se em direção a cozinha verde-abacate. "Não tenho muita comida aqui. Eu normalmente não fico muito tempo, mas eu tenho chá. E biscoitos. Vá para a sala de desenho. Irei em seguida".

Ele teve que rir naquele momento; até ele sabia que ninguém mais falava 'sala de desenho'. Talvez ela estivesse tão nervosa quanto ele, então? Só podia esperar.

***

Tessa amaldiçoou silenciosamente pela quarta vez enquanto se abaixava para pegar a caixa de cubos de açúcar do chão. Ela já tinha posto a chaleira no fogo, sem água, misturado os sacos de chá, virado o leite, e agora isso. Ela colocou um cubo de açúcar em cada copo de chá e disse para si mesma para contar até dez, olhando os cubos se dissolverem.

Ela sabia que suas mãos estavam tremendo. Seu coração acelerado. James Carstairs estava em seu apartamento. Em sua sala. Esperando por chá. Parte de sua mente estava gritando que era somente o Jem, enquanto a outra parte gritou tão alto que "somente Jem" era alguém que ela não via a centro e trinta e cinco anos.

Ele havia sido Irmão Zachariah por tanto tempo. E claro que em seu coração ele sempre havia sido Jem, com a sagacidade e infalível bondade de Jem. Ele nunca falhou em seu amor por ela ou por Will. Mas Irmãos do Silêncio - eles não sentem coisas do modo que as pessoas sentem.

Isso era algo que ela havia pensado, algumas vezes, nos últimos anos, muitas décadas depois da morte de Will. Ela nunca quis ninguém mais, nunca ninguém além de Will e Jem, mas ambos se foram, mesmo que Jem ainda viva. Ela se perguntava algumas vezes o que ele teria feito se apenas tivesse sido proibido pelos Irmãos de Silêncio de se casar e amar; Mas era mais que isso: ele não podia desejar ela. Ele não tinha esses sentimentos. Ela se sentia como Pygmalion, ansiando pelo toque de uma estátua de mármore. Irmãos do Silêncio não tinhas esses desejos para o toque, não mais do que eles sentiam desejo por comida ou água.

Mas agora..


Esqueço que eu preciso comer e beber.


Ela pegou as xícaras de chá com as mãos ainda tremendo e caminhou até a sala. Ela a tinha decorado ao longo dos anos, desde as almofadas do sofá até a longa tela japonesa pintada com um design de papoulas e bambu. As cortinas emoldurando a janela na outra extremidade da sala estavam entreabertas, apenas com luz suficiente dentro do quarto para tocar as mechas douradas no cabelo escuro de Jem e ela quase deixou cair as xícaras de chá.

Eles mal haviam se tocado durante a volta de táxi ao Queen's Gate, apenas segurando as mãos firmemente na parte de trás do táxi. Ele havia corrido os dedos sobre as costas dos dedos dela de novo e de novo quando começou a contar-lhe a história de tudo que havia acontecido desde de a última visita dela em Idris, quando a Guerra Mortal, na qual ela lutou, havia acabado. Quando Magnus havia apontado Jace Herondale para ela, e ela olhou pare o rapaz que tinha a linda face de Will e os olhos como seu filho James.

Mas seu cabelo era de seu pai, aquele emaranhado de ricos cachos dourados, e se lembrando do que ela conhecia de Stephen Herondale, virou-se sem dizer nada.

Herondale, alguém lhe falou uma vez. Eles eram tudo que os Caçadores de Sombras tinham a oferecer, tudo em uma família: tanto o melhor, quanto o pior.

Ela colocou as xícaras de chá na mesa de café - um baú velho, coberto de selos de suas muitas viagens - com um baque audível. Jem virou-se para ela e ela percebeu o que ele tinha em mãos.

Uma das estantes guardava uma exposição de armas: coisas que ela tinha pego ao redor do mundo. A fina Misericorde, uma kris curva, uma faca de trincheira, uma espada curta, e dezenas de outros. Mas a que Jem tinha apanhado e estava olhando era uma fina faca de prata, sua alça escurecida por muitos anos de sepultamento na sujeira. Ela nunca tinha limpado, pois a mancha na lâmina era o sangue de Will. Lâmina do Jem, sangue de Will, enterrados juntos nas raízes de uma árvore de carvalho, Will tinha feito uma espécie de magia simpática quando pensou que havia perdido Jem para sempre. Tessa a tinha recuperado após a morte de Will e ofereceu a Jem; ele se recusou a levá-la.

Isso aconteceu em 1937.

"Fique com ela", disse ele agora. "Ainda pode vir um dia".

"Isso foi o que você disse para mim". Ela moveu-se em direção a ele, seus sapatos batendo no chão de madeira. "Quando eu tentei dá-la a você".

Ele engoliu em seco, deslizando os dedos para cima e para baixo da lâmina. "Ele tinha acabado de morrer", disse ele. Ela não precisa perguntar quem ele era. Havia apenas um ELE quando estavam somente os dois conversando. "Eu estava com medo. Eu vi o que aconteceu com os outros Irmãos do Silêncio. Eu vi como eles endureceram com o tempo, perderam as pessoas que tinham sido. Quando as pessoas que os amavam e que eles amavam muito morriam, eles tornavam-se menos humanos. Eu estava com medo perder a minha capacidade de me importar. Sabendo o que essa faca significava para Will e o que ele significava para mim."

Ela colocou a mão em seu braço. "Mas você não esqueceu".

"Eu não perdi todos que amava". Ele olhou para ela, e ela notou que seus olhos tinham dourado também, brilhantes pontos preciosos em meio ao marrom. "Eu tinha você."

Ela exalou; seu coração estava batendo tão forte que seu peito doía. Então ela viu que ele estava segurando a lâmina da faca, e não apenas o cabo. Rapidamente ela a tirou de suas mãos. "Por favor, não", disse ela. "Eu não posso desenhar uma iratze."

"E eu não tenho uma estela", disse ele, observando enquanto ela colocava a faca de volta na prateleira. "Eu não sou um Caçador de Sombras agora." Ele olhou para suas mãos; haviam finas linhas vermelhas nas palmas de suas mãos, mas ele não cortou a pele.

Impulsivamente, Tessa se curvou e beijou suas palmas das mãos, depois fechou-as, suas próprias mãos sobre as deles. Quando ela olhou para cima, suas pupilas estavam arregaladas. Ela podia ouvir sua respiração.

"Tessa", ele disse. "Não".

"Não o que?" Ela se afastou dele, porém, instintivamente. Talvez ele não queria ser tocado, embora na ponte, não parecesse...

"Os Irmãos me ensinaram o controle", disse ele, com a voz tensa. "Eu tenho todo o tipo de controle, e eu tenho aprendido ao longo de décadas e décadas, e estou usando todos para não empurrá-la contra a estante e beijá-la até que nenhum de nós possa respirar".

Ela ergueu o queixo. "E o que havia de errado nisso?"

"Quando eu era um Irmão do Silêncio, eu não me sentia como um homem comum", disse ele. "O vento no meu rosto ou o sol na minha pele ou o toque da mão do outro. Mas agora eu sinto tudo. Eu sinto - muito. O vento é como um trovão, o sol queima, e seu toque me faz esquecer meu próprio nome ".

Uma pontada de calor passou através dela, um calor que começou de baixo em seu estômago e se espalhou por todas as partes de seu corpo. Uma espécie de calor que ela não sentia há tantas décadas. Quase um século. Sua pele se arrepiou. "Ao vento e ao sol você vai se acostumar", disse ela. "Mas seu toque me faz esquecer o meu nome também, e eu não tenho desculpas. Só que eu te amo, e eu sempre amei e sempre amarei. Eu não vou tocar em você se não quiseres, Jem. Mas, se estamos esperando até que a ideia de estarmos juntos não nos assuste, podemos esperar um longo tempo".

A respiração lhe escapou em um silvo. "Diga isso de novo".

Intrigada, ela começou: "Se nós estamos esperando até que.."

"Não", disse ele. "A parte anterior".

Ela inclinou o rosto para ele. "Eu te amo", disse ela. "Sempre amei e sempre amarei".

Ela não sabia quem se moveu em direção ao outro primeiro, mas ele a pegou pela cintura e foi beijando-a antes que ela pudesse tornar a respirar. Não era como o beijo na ponte. Isso tinha sido uma comunicação silenciosa dos lábios nos lábios, a troca de uma promessa e uma garantia. Tinha sido doce e destruidor, uma espécie de trovoada gentil.

Foi uma tempestade. Jem a estava beijando, rígido e esmagador, e quando ela abriu seus lábios com os dele e provou o interior de sua boca, ele suspirou e puxou-a com mais força contra ele, suas mãos cavando em seus quadris, pressionando-a para mais perto dele enquanto ele explorava seu lábios e língua, acariciando, mordendo, e então beijando para aliviar a dor. Nos velhos tempos, quando ela o havia beijado, tinha sabor de açúcar amargo: agora ele tinha gosto de chá e - pasta de dente?

Mas por que não creme dental. Mesmo Caçadores de Sombras centenários escovavam os dentes. Uma pequena risadinha nervosa escapou dela e Jem se afastou, parecendo atordoado e deliciosamente desarrumado. Seu cabelo estava de todas as maneiras devido ela ter corrido as mãos por ele.

"Por favor, não me diga que você está rindo porque eu beijo tão mal que chega a ser engraçado", ele disse, com um sorriso torto. Ela podia sentir que sua preocupação era real. "Eu posso estar um pouco fora de prática".

"Irmãos do Silêncio não beijam muito?" Brincou ela, alisando a frente do suéter dele.

"A não ser que houvesse orgias secretas para as quais eu não fui convidado", disse Jem. "Sempre me preocupava em talvez não ser popular".

Ela apertou mão ao redor de seu pulso. "Venha aqui", disse ela. "Sente-se - tem um pouco de chá. Há algo que quero te mostrar".

Ele sentou, como ela havia pedido, no sofá de veludo, recostando-se contra as almofadas que ela tinha costurado com o tecido que ela tinha comprado na Índia e na Tailândia. Ela não conseguia esconder um sorriso - ele parecia um pouco mais velho de quando ele se tornou um Irmão do Silêncio, um jovem normal de calça jeans e um suéter, mas ele sentou-se como um homem vitoriano sentaria - costas retas, com os pés apoiados no chão. Ele pegou seu olhar e sua própria boca levantou-se nos cantos. "Tudo bem", disse ele. "O que você tem para me mostrar?"

Em resposta, ela foi para a tela japonesa que se estendia através de um canto da sala, e deu um passo atrás dela. "É uma surpresa".

O seu manequim de costura estava lá, escondido do resto da sala. Ela não podia vê-lo através da tela, apenas um esboço borrado. "Fale comigo", disse ela, puxando seu suéter por cima da cabeça. "Você disse que era uma história de Lightwoods e Fairchilds e Morgenstern. Eu sei um pouco do que aconteceu - eu recebi suas mensagens, enquanto eu estava no Labirinto. - Mas eu não sei como a Guerra das Trevas efetuou sua cura". Ela jogou o suéter por cima da tela. "Você pode me dizer?"

"Agora?" Disse. Ela o ouviu largar sua xícara de chá.

Tessa chutou os sapatos e abriu o zíper da calça jeans, o som alto no quarto silencioso. "Você quer que eu saia de trás desta tela, James Carstairs?"

"Com certeza". Sua voz parecia estrangulada.

"Então comece a falar".

* * *

Jem falou. Ele falou sobre os dias sombrios em Idris, de exército de Crepúsculares de Sebastian Morgenstern, de Jace Herondale e Clary Fairchild e as crianças Lightwood e sua perigosa viagem para Edom.

"Já ouvi falar de Edom", disse ela, com a voz abafada. "Fala-se disso no Labirinto Espiral, onde eles acompanham as histórias de todos os mundos. Um lugar onde os Nephilim foram destruídos. Um deserto".

"Sim", Jem disse, um pouco distraído. Ele não podia vê-la através da tela, mas ele podia ver o contorno de seu corpo, o que foi um pouco pior. "Um deserto escaldante. Muito... quente".

Ele teve medo de que os Irmãos do Silêncio tivessem tomado o desejo dele: que ele iria olhar para Tessa e sentir o amor platônico, mas não ser capaz de querer, mas o oposto era verdade. Ele não podia deixar de querer. Ele queria, pensou, mais do que jamais quis antes em sua vida.

Ela claramente estava mudando de roupa. Ele olhou para baixo rapidamente quando ela começou a dançar para fora da calça jeans, mas não era como se pudesse esquecer a imagem, a silhueta dela, o cabelo longo e lindas pernas longas - ele sempre amou as pernas.

Certamente ele tinha sentido isso antes, quando era um menino? Lembrou-se da noite em seu quarto quando ela o tinha impedido de destruir seu violino, e ele queria, queria tanto que não conseguia pensar enquanto desabavam sobre a cama: ele teria tido a sua inocência, em seguida, e dado a sua própria, sem parar, sem pensar em um momento futuro. Se eles não tivessem derrubado sua caixa de yin fen. Se. Que o trouxera de volta, lembrou-lhe quem ele era, e quando ela se foi, ele rasgou os lençóis em tiras com os dedos de pura frustração.

Talvez fosse somente a lembrança do desejo em comparação com o sentimento em si. Ou talvez estivesse doente, mais fraco. Ele estava morrendo, afinal de contas, e certamente o seu corpo não poderia ter sustentado isso.

"Uma Fairchild e um Herondale", disse ela. "Agora, eu gosto disso. Os Fairchilds sempre foram prático e os Herondales - bem, você sabe". Ela soava apaixonada, entretida.. "Talvez ela vai acalmá-lo. E não me diga que ele não precisa ser acalmado".

Jem pensou em Jace Herondale. Como ele era parecido com Will se alguém tivesse acendido um fósforo e dourado ele em fogo vivo. "Eu não tenho certeza se você pode acalmar um Herondale, e certamente não esse".

"Ele a ama? A menina Fairchild?"

"Eu nunca vi alguém tão apaixonado, exceto..." Sua voz sumiu, pois ela tinha saído de trás da tela, e agora ele entendeu o que tinha levado tanto tempo.

Ela estava usando um vestido de seda faille orquídea, o tipo de vestido que ela poderia ter usado para jantar quando eles estavam noivos. Foi cortado em cordões de veludo branco, a saia Belling ao longo - ela estava vestindo crinolines?

Sua boca se abriu. Ele não podia ajudar a si mesmo. Ele havia encontrado sua beleza através das mudanças de séculos: beleza nas roupas cuidadosamente cortadas dos anos de guerra, quando tecido era racionado. Beleza nos vestidos elegantes dos anos cinquenta e sessenta. Beleza em saias curtas e botas quando o século se aproximava do fim.

Mas isso era o que as meninas pareciam quando ele notou pela primeira vez, primeiro os encontrou fascínio e não irritação, notou pela primeira vez a linha graciosa de um pescoço ou a palidez dentro de um pulso feminino. Esta foi a Tessa que primeiro o cortou com amor e desejo misturados: um anjo carnal com um espartilho a moldar seu corpo, levantando os seios, moldando os quadris.

Forçou os olhos. Ela havia amarrado seu cabelo acima da cabeça, pequenos cachos escapando sobre as orelhas, e seu pingente de jade brilhava em torno de sua garganta.

"Você gostou?", Disse ela. "Eu tive que fazer o meu próprio cabelo, sem Sophie, e até os meus próprios laços..." Sua expressão era tímida e mais do que um pouco nervoso - sempre foi uma contradição em seu coração, ela era uma das mais valentes e ao mesmo tempo das mais tímidas que ele conhecia. "Eu comprei no Sotheby - uma antiguidade, agora era de longe muito dinheiro, mas eu me lembrei de quando era uma menina que tinha dito que orquídeas eram a sua flor favorita e eu tinha me colocado a encontrar um vestido da cor de uma orquídea, mas eu nunca encontrei um antes você se for - foi. Mas este é. Anilina, espero, nada de natural, mas eu pensei - eu pensei que iria lembrá-lo" Ela ergueu o queixo.. "De nós. Do que eu queria ser para você, quando eu pensei que ficaríamos juntos".

"Tess", disse ele, com voz rouca. Ele estava de pé, sem saber como tinha chegado lá. Ele deu um passo em sua direção, e depois outro. "Quarenta e nove mil, duzentos e setenta e cinco".

Ela soube imediatamente o que ele queria dizer. Ele sabia que ela faria. Ela o conhecia como ninguém mais viva conhecia. "Você está contando os dias?"

"Quarenta e nove mil, duzentos e setenta e cinco dias desde a última vez que beijei você", disse ele. "E eu pensei em você a cada um deles. Você não tem que me lembrar da Tessa eu amava. Você foi meu primeiro amor e você será a minha última. Eu nunca me esqueci de você. Eu sempre pensei em você". Ele estava perto o suficiente agora para ver o pulso batendo em sua garganta. Para alcançar e levantar uma onda de seu cabelo. "Sempre".

Seus olhos estavam semicerrados. Ela estendeu a mão e pegou a mão dele, onde acariciou seus cabelos. Seu sangue estava trovejando através de seu corpo, com tanta força que doía. Ela abaixou a mão dele, abaixou-a até o corpete de seu vestido. "A propaganda do vestido disse que não tem botões", ela sussurrou. "Só presilhas na frente. Mais fácil para uma pessoa abrir". Ela abaixou a mão direita, pegou seu outro pulso, levantou-o. Agora as duas mãos estavam em seu sutiã. "Ou desapertar". Seus dedos curvados sobre os dela quando, deliberadamente, ela abriu a primeira presilha de seu vestido.

E então o próximo. Ela moveu as mãos para baixo, seus dedos entrelaçados com os dele, desabotoando até seu vestido estar aberto sobre seu espartilho, dobrado em cada lado, como pétalas de flores. Ela estava respirando com dificuldade; ele não conseguia tirar os olhos de onde seu pingente subia e descia com seus suspiros. Ele não conseguia se mover um centímetro mais em direção a ela: ele queria, queria muito. Ele queria desamarrar seu cabelo e enrolá-lo em torno de seus pulsos, como cordas de seda. Ele queria seus seios sob suas mãos e as pernas ao redor de sua cintura. Ele queria coisas que ele não tinha um nome e nenhuma experiência. Ele só sabia que se ele se movesse um centímetro mais perto dela a barreira de vidro de controle que ele tinha construído em torno de si iria quebrar-se e ele não sabia o que iria acontecer.

"Tessa", disse ele. "Você tem certeza?"

Seus cílios se agitaram. Seus olhos ainda estavam meio fechados, seus dentes fazendo pequenas meias-luas no seu lábio inferior. "Eu tinha certeza antes", ela disse, "e eu tenho certeza agora".

E ela apertou as mãos dele firmemente em seu lado, nas curvas de sua cintura, em ambos os lados do quadril.

Seu controle quebrou, uma explosão silenciosa. Ele a puxou, inclinou-se para beijá-la brutalmente. Ele a ouviu gritar de surpresa e, em seguida, seus lábios silenciando os dela, e sua boca se abriu avidamente sob a sua. Suas mãos estavam em seu cabelo, agarrando; ela estava na ponta dos pés para beijá-lo. Ela mordeu seu lábio inferior, mordiscou seu queixo, e ele gemeu, deslizando as mãos dentro de seu vestido, seus dedos traçando a parte de trás do seu espartilho, sua pele queimando os pedaços de sua camisa, ele podia sentir entre os laços. Ele estava tirando os sapatos, tirando as meias, o piso frio contra os seus pés descalços.

Ela deu um pequeno suspiro e se contorceu mais para perto, em seus braços. Ele deslizou as mãos para fora do vestido e pegou suas saias. Ela fez um barulho de surpresa e, em seguida, ele estava tirando o vestido por cima de sua cabeça. Ela exclamou, rindo, o vestido veio a maior parte do caminho, mas permaneceu trancado nos pulsos, onde pequenos botões estavam cruzadas nos punhos com força. "Cuidado", brincou ela, enquanto seus dedos frenéticos sacudiam os botões abertos. Ele levantou o vestido e jogou para o canto. "É uma antiguidade".

"Eu também, tecnicamente", ele disse, e ela riu novamente, olhando para ele, com o rosto quente.

Ele tinha pensado em fazer amor com ela antes; é claro que tinha. Ele tinha pensado em sexo, quando ele era um adolescente porque era isso que os adolescentes pensavam, e quando ele tinha se apaixonado por Tessa, ele tinha pensado. Vagos pensamentos rudimentares de fazer as coisas, mas ele não tinha certeza - imagens de braços e pernas pálidas, a sensação imaginária de pele macia sob suas mãos.

Mas ele não imaginava isto: que podia haver riso, que poderia ser carinhoso e caloroso, bem apaixonado. A realidade disso, a realidade dela, o surpreendeu sem fôlego.

Ela afastou-se dele e por um momento ele entrou em pânico. O que tinha feito de errado? Se ele tivesse machucado, desagradado? Mas não, seus dedos tinham ido para a gaiola de crinolina em sua cintura, torcendo e passando rapidamente. Em seguida, ela levantou os braços e entrelaçou-os sobre seu pescoço. "Erga-me", disse ela. "Erga-me, Jem".

Sua voz era um ronronar quente. Ele pegou sua cintura e levantou-a, como se estivesse levantando uma cara orquídea do seu vaso. Quando ele a desceu, ela estava vestindo apenas seu espartilho, lingerie e meias. Suas pernas eram tão longas e bonitas como ele havia lembrado e sonhado.

Ele estendeu a mão para ela, ela pegou em suas mãos. Ela ainda estava sorrindo, mas agora havia uma qualidade travessa nele. "Oh, não", ela disse, apontando para ele, seus jeans e suéter. "Sua vez".

* * *

Ele congelou, e por um momento, em pânico, Tessa se ​​perguntou se lhe pedira demais. Ele tinha sido desconectado de seu corpo por muito tempo - a mente em uma concha de carne que passou largamente ignorada a menos que ele precisasse ser marcado por uma runa para algum novo poder. Talvez isso foi demais para ele.

Mas ele respirou fundo, e suas mãos foram para a barra de sua blusa. Ele puxou-o sobre a cabeça e saiu com seu cabelo adoravelmente despenteado. Ele não usava camisa. Ele olhou para ela e mordeu o lábio.

Ela se moveu em direção a ele, perguntando-se os olhos e os dedos. Ela olhou para ele antes que ela colocasse as mãos sobre ele e o visse com a cabeça, sim.

Ela engoliu em seco. Havia sido levada tão longe para a frente como uma folha na maré de suas lembranças. Memórias de James Carstairs, o menino de que tinha sido noiva, tinha planejado se casar. Quase tinha feito amor no chão da sala de música no Instituto de Londres. Ela tinha visto o seu corpo, em seguida, despido até a cintura, sua pele pálida como papel e fina sobre costelas proeminentes. O corpo de um menino morrendo, embora para ela ele sempre foi bonito.

Agora, sua pele foi colocada sobre suas costelas e no peito por uma camada de músculo liso; seu peito era largo, afinando até a cintura fina. Ela colocou as mãos sobre ele timidamente; Ele estava quente e rígido sob seu toque. Ela podia sentir as cicatrizes leves de runas antigas, pálido contra sua pele dourada.

Sua respiração vaiou entre os dentes quando ela passou as mãos pelo peito e abaixou os braços, a curva de seus bíceps moldou-se sob os dedos. Ela se lembrou dele lutando com os outros irmãos no Cader Idris - e é claro que ele tinha lutado na batalha da Cidadela, os Irmãos do Silêncio mantinham-se prontos para a batalha, embora raramente lutassem. De alguma forma, ela nunca tinha pensado sobre o que isso podia significar para Jem, uma vez que já não podia morrer.

Seus dentes batiam um pouco; Ela mordeu os lábios para mantê-los em silêncio. O desejo estava aumentando, e um pouco de medo também: como isso pode estar acontecendo? Realmente acontecendo?

"Jem", ela sussurrou. "Você está tão..."

"Cicatrizado?" Ele colocou a mão no rosto, onde a marca negra da Irmandade ainda permanecia no arco de sua bochecha. "Abominável?"

Ela balançou a cabeça. "Quantas vezes eu tenho que te dizer que você é lindo?" Ela passou a mão da curva nua de seu ombro até o pescoço; ele tremia. Você é lindo, James Carstairs. "Você não viu todo mundo olhando para você na ponte? Você é muito mais bonito do que eu", ela murmurou, deslizando as mãos em volta dele para tocar os músculos de suas costas; eles apertaram sob a pressão de seus dedos olhando. "Mas se você é tolo o suficiente para me querer então eu não vou questionar a minha boa sorte."

Ele virou a cabeça para o lado e ela o viu engolir. "Por toda a minha vida", disse ele, "quando alguém dizia a palavra 'belo', era o seu rosto que eu via. Você é a minha própria definição de belo, Tessa Gray".

Seu coração virou. Ela ergueu-se na ponta dos pés - ela sempre foi alta, mas Jem era ainda mais alto - e colocou a boca para o lado de sua garganta, beijando suavemente. Seus braços vieram ao redor dela, apertando-a contra si, era um corpo rígido e quente, e ela sentiu outra pontada de desejo. Desta vez, ela mordeu-o, mordendo a pele onde o ombro curvado em seu pescoço.

Tudo correu às avessas. Jem fez um som baixo em sua garganta e de repente eles estavam no chão e ela estava em cima dele, seu corpo amorteceu a queda. Ela olhou para ele com espanto. "O que aconteceu?"

Ele pareceu confuso também. "Eu não conseguia levantar mais".

Seu peito cheio de calor. Fazia tanto tempo que ela tinha quase esquecido a sensação de beijar alguém com tanta força que seus joelhos ficassem fracos. Ele ergueu-se nos cotovelos. "Tessa"

"Não há nada de errado", disse ela com firmeza, colocando o rosto em suas mãos. "Nada. Entendeu?"

Ele estreitou os olhos para ela. "Será que você tropeçou em mim?"

Ela riu; seu coração ainda estava batendo acelerado, tonta de alegria e alívio e terror, tudo ao mesmo tempo. Mas ela tinha olhado para ele antes, tinha visto a forma como ele olhou para o cabelo quando estava no chão, sentiu os dedos nela, provisoriamente acariciando, quando ele a beijou na ponte. Ela estendeu a mão e puxou os grampos, jogando-os em toda a sala.

O cabelo dela espalhou-se para baixo, derramando sobre os ombros, até a cintura. Ela se inclinou para frente para que roçasse em seu rosto, seu peito nu.

"Você se importa?", Ela sussurrou.

"À medida que acontece", disse ele, contra sua boca: "Eu não me importo. Acho que eu prefiro estar reclinado".

Ela riu e passou a mão para baixo de seu corpo. Ele se contorceu, arqueando-se em ao toque. "Para uma antiguidade", ela murmurou, "que busca um bom preço na Sotheby. Todas as suas peças estão bastante em ordem".

Suas pupilas dilataram e então ele riu, seu hálito quente com rajadas em sua bochecha. "Eu esqueci o que é ser provocado, eu acho", disse ele. "Ninguém brinca Irmãos do Silêncio".

Ela aproveitou de sua distração para livrá-lo de seus jeans. Havia pouca roupa entre eles agora. "Você não está na Irmandade mais", disse ela, acariciando seus dedos em seu estômago, o cabelo bem lá logo abaixo do umbigo, o peito nu suave. "E eu ficaria muito desapontado se você permanecesse em silêncio".

Ele estendeu a mão para ela cegamente e puxou-a para baixo. Suas mãos se enterraram em seu cabelo. E eles estavam se beijando de novo, com os joelhos em ambos os lados de seus quadris, as palmas das mãos apoiadas contra seu peito. Suas mãos corriam pelo cabelo de novo e de novo, e cada vez ela podia sentir seu corpo esticar-se na direção dela, seus lábios pressionando contra ela. Não eram beijos selvagens, agora não: eram decadentes, crescendo em intensidade e fervor cada vez que eles se separavam e se uniam novamente.

Ele colocou as mãos nos cordões de seu espartilho e puxou-os. Ela virou-se para mostrar-lhe que também estava preso na frente, mas ele já tinha chegado ao redor para agarrar a frente. "Minhas desculpas", disse ele, "a antiguidade", e em seguida, um Jem-antiquado, arrancou o espartilho jogou-o de lado. Debaixo estava sua regata, que foi puxou para cima sobre a cabeça e jogada para o lado.

Ela respirou fundo. Ela estava nua na frente dele agora, como nunca tinha estado antes.

* * * 

Jem tinha a sensação de que mais tarde suas mãos iriam doer (ele nunca tinha rasgado um espartilho antes), mas, no momento, ele não sentia nada além de Tessa. Ela estava sentada montado em seus quadris, os olhos arregalados, o cabelo caindo sobre os ombros e seios nus. Parecia Vênus saindo das ondas, com apenas o pingente de jade para cobri-la, brilhando contra a pele dela.

"Eu acho", disse ela, sua voz foi alta e ofegante, "que eu preciso que você me beije agora".

Ele estendeu a mão para puxá-la, agarrando os ombros delgados. Rolou de forma que ele estava em cima dela, equilibrado nos cotovelos, cuidando com seu peso. Mas ela não pareceu se importar. Ela ajustou-se debaixo dele, curvando o corpo para se adaptar. A suavidade de seus seios pressionados contra o peito e no oco de seus quadris era um copo para segurá-lo e os dedos dos pés descalços corriam por suas panturrilhas.

Ele fez um escuridão, som baixo em sua garganta, um som que mal reconheceu como vindo de si mesmo. Um som que fez alunos de Tessa expandir, sua respiração vir rapidamente. "Jem", disse ela, "por favor, Jem,"  ela virou a cabeça para o lado, pillowing sua bochecha em seu cabelo solto.

Ele se inclinou sobre ela. Isto era o máximo que eles já tinham feito juntos. Que ele se lembrava. Que ela gostava de ser beijada embaixo sua garganta, e que se seguisse sua clavícula com a boca ela iria gritar e cavar com as mãos em suas costas. E ficou aterrorizado com o que veio em seguida - sem saber o que fazer, ou como agradá-la - sua resposta veio rápido: seus gritos suaves com ele passando as mãos pelas pernas e beijando-a no peito e estômago.

"Meu Jem", ela sussurrou enquanto o beijava. "James Carstairs. Ke Jian Ming".

Ninguém o tinha chamado pelo seu nome de nascimento em mais de meio século. Era tão íntimo como um toque.

Ele não sabia ao certo como o resto de suas roupas foram tiradas, só que de alguma forma eles estavam sobre os restos destruídos de seu vestido de seda e saias. Tessa não era suave e flexível sob ele como ele tinha imaginado há muito tempo, mas sensível e exigente, levantando o rosto para ser beijada mais e mais, passando as mãos sobre ele, cada ponta de seus dedos acendendo faíscas em terminações nervosas que ele temia que a muito estivesse morto.

Foi muito melhor do que ele tinha imaginado. Ele estava cercado por ela, por seu cheiro de sabonete e água de rosas, sua pele macia e sua confiança implícita. Não era apenas a confiança nele para não machucá-la; era mais do que isso. Confiava que a sua inexperiência não importava, que nada mais importava, exceto que eles era os dois e eles sempre tinham se procurado em fazer o outro feliz. De repente ele vacilou e disse: "Tessa, eu não sei como" Ela sussurrou contra sua boca e colocou as mãos onde elas deviam estar.

Uma espécie de lição, mas o mais gentil que já havia aprendido, e a melhor. Ele ainda não tinha imaginado isso, que suas respostas seriam semelhantes, que seu prazer seria ampliar o seu próprio. Que quando ele deslizou as mãos por suas pernas ela envolveu-as em torno de sua cintura por vontade própria. Que cada pensamento fugia de sua cabeça, exceto para a sensação dela com ele e, em seguida, ao seu redor enquanto o guiava para onde ele precisava estar.

Ouviu-se gritar como se estivesse a uma distância como se ele se enterrasse nela. "Tessa". Ele agarrou os ombros como se agarrasse para os recuperar seu controle. "Tessa, oh Deus, Tessa, minha Tessa". A coerência o tinha deixado. Ele balbuciou alguma coisa, não mais em Inglês, ele não sabia em qual, e ele a sentiu apertar os braços em volta dele.

Ele estava respirando em suspiros quando se moveu, lutando desesperadamente paraagarrar-se, não querendo que isso acabasse, ainda não. Seus olhos estavam fechados; luz resplandecente por trás de suas pálpebras. Tanta luz. Ele ouviu a voz de Tessa, sussurrando seu nome; eles estavam tão perto, mais perto do que nunca tinha acreditado ser possível. Suas mãos deslizaram em seu corpo para se agarrar a sua cintura. Havia uma linha fina de concentração entre as sobrancelhas; seus olhos estavam fechados com força, o rosto escarlate brilhante, e quando ela tentou dizer o nome dele, um suspiro irregular engoliu. Uma de suas mãos voaram para sua boca e ela mordeu os dedos enquanto seu corpo se apertou em torno dele.

Era como um jogo de caça. O último controle evaporou. Ele enterrou o rosto contra o pescoço dela como a luz por trás de seus olhos fraturado em cores caleidoscópicas. Ele tinha levado a escuridão da Cidade do Silêncio com ele, mesmo quando ele havia deixado a Irmandade. E agora ela tinha aberto a sua alma e deixado entrar a luz, e foi brilhante.

Ele nunca tinha imaginado isso. Ele nunca tinha sequer imaginado se imaginando isso.

Quando voltou a si, ele descobriu que ainda estava segurando-a com força, a cabeça inclinada sobre o ombro dela. Ela estava respirando suavemente e regularmente, com a mão em seu cabelo, acariciando, murmurando palavras de carinho.

Ele se afastou de sua relutância, rolando para organizar os dois para que eles estivessem cara a cara. A maior parte da luz do dia havia desaparecido; eles olharam um para o outro em uma penumbra que suavizou todas as arestas duras. Seu coração batia mais forte que ele estendeu a mão para roubar seu polegar sobre o lábio inferior.

"Você está bem?", disse, com a voz rouca. "Era isso". Ele parou, percebendo, para seu horror que o brilho nos olhos dela era lágrimas. Uma caiu pelo seu rosto, sem controle.

"Tessa?" Ele podia ouvir o pânico selvagem em sua própria voz. Ela lhe deu um sorriso rápido, tremendo, mas então era Tessa. Ela nunca iria mostrar decepção. E se tivesse sido terrível para ela? Ele tinha pensado que fora incrível, perfeito; ele pensava que seu corpo iria quebrar em pedaços de sentir tanta felicidade ao mesmo tempo. E ele pensou que ela tinha respondido, mas o que ele sabia? Ele amaldiçoou sua própria inexperiência, sua arrogância e seu orgulho. O que o fez pensar que podia.

Sentou-se, inclinando-se sobre a mesa do café, suas mãos faziam algo que ele não podia ver. Seu corpo nu foi delineado na penumbra, insuportavelmente bonito. Ele olhou para ela com seu coração palpitando. A qualquer momento ela iria se levantar e puxar as roupas dela, diria a ele que o amava, amava-o sempre, mas não dessa forma. Que não foi uma paixão, mas uma amizade.

E ele disse a si mesmo que ele podia suportar isso, antes de ter chegado à ponto de confessar a si mesmo. Ele próprio disse que ele poderia ter sua amizade e nada mais, que era melhor do que não estar perto dela.

Mas agora que ele sabia, agora que eles tinham compartilhado a respiração e os corpos e as almas, ele não podia mais voltar atrás. Para ser somente sua amiga, nunca tocá-la de novo, iria rasgá-lo em mil pedaços. Seria mais agonia do que o fogo celestial nunca tinha sido.

Ela se virou para ele, segurando algo em suas mãos.

"Jem?", Disse ela. "Jem, você está a milhares de quilômetros de distância!" Ela tinha se coberto com uma parte dobrada do sofá; sentou-se ao lado dele; as lágrimas tinham desaparecido e ela estava quente e sorrindo. "Honestamente, se o que nós acabamos de fazer não chamar sua atenção, eu não sei o que chamaria". 

Ele olhou para ela. "Mas você estava chorando", disse ele, finalmente.

Ela olhou para ele com curiosidade. "Porque eu estou feliz. Porque isso foi maravilhoso".

Ele soltou o ar em uma onda de alívio. "Então isso foi - estava tudo bem? Eu poderia melhorar, poderíamos praticar".

Ele percebeu o que acabara de dizer, e fechou a boca.

Um sorriso malicioso se espalhou sobre o rosto dela. "Oh, nós
 vamos praticar", disse. "Assim que você estiver pronto".

"Eu não tenho outros compromissos esta noite", disse ele gravemente.

Ela corou. "Seu corpo pode precisar de tempo para - para se recuperar".

"Não", ele disse, e desta vez ele se permitiu um pequeno traço de presunção. "Não, eu acho que não".

Ela corou ainda mais. Ele adorava faze-la corar; ele sempre gostou. "Bem, eu preciso de cinco minutos, pelo menos", ela disse. "E eu preciso que você veja isso. Por favor?"

Ela estendeu um pedaço de papel para ele. Sua expressão estava surpreendentemente séria; ele diminuiu sua presunção, e o seu desejo de provocá-la também. Não ousando falar, ele pegou o papel da mão dela e desdobrou.

Ela limpou a garganta. "Eu posso ter brincando, antes", ela disse, "quando eu disse que eu tinha esse apartamento sob o nome de Bedelia Bacalhau".

Ele olhou para a escritura do apartamento no Queen's Gate. Ele foi feito em nome de Tessa, ou algo parecido. Não Tessa Gray, no entanto, ou mesmo Tessa Herondale. Ela foi feita em nome de Tessa Herondale Carstairs.

"Quando falei com Magnus em Idris, após a Guerra Mortal", disse ela, "ele me disse que tinha sonhado que estava curado. Você sabe como é Magnus. Às vezes os sonhos são verdadeiros. Então, eu me permiti ter esperança pela primeira vez em um longo tempo. Eu sabia que era improvável, se não impossível. Eu sabia que poderia ser muitos anos. Mas você me pediu para casar com você, embora tenha sido a muito tempo atrás. E de certa forma, esta é a nossa noite de núpcias. A consumação há muito adiada". Ela sorriu para ele, mordendo o lábio, claramente nervosa. Os dedos dele correram pelo cobertor que ela segurava em torno de si. "Eu não deveria ter pego emprestado o seu nome, talvez, mas eu sempre senti no meu sangue que éramos uma família".

"Tessa Herondale Carstairs", ele sussurrou. "Você nunca deve se preocupar em pegar meu nome emprestado quando você sabe que pode usá-lo".

Ele deixou o pedaço de papel cair da sua mão e estendeu a mão para ela. Ela inclinou em seu colo e ele segurou-a com força, contra a sensação de asfixia em sua própria garganta.

Ela nunca tinha dado em cima dele. Lembrou-se de dizer a Will uma vez que ele havia lhe dado fé, enquanto Will não tinha nenhuma em si mesmo. Ele sempre esperava o melhor para Will, mesmo quando Will não o fazia para si mesmo. E Tessa tinha feito isso por ele. Ele tinha há muito tempo perdido a esperança de uma cura, mas ela - ela sempre esperava.

"Mispá, Tessa," ele sussurrou. "Na verdade, pois com certeza Deus estava olhando por nós enquanto estávamos separados um do outro. E ele olhou para nós enquanto fomos separados de Will e depois nos trouxe de volta um para o outro".
* * * 

Eles dormiam, enrolados, sobre o vestido de Tessa, e mais tarde mudaram-se para o sofá. Estava muito escuro, e eles beberam chá frio e fizeram amor novamente, desta vez mais lentamente e com cuidado até que Tessa estava segurando os ombros de Jem e implorando-lhe para ir mais rápido. "Doce, não apaixonado", disse ele com um sorriso de pura diversão.

"Ah, é?" Ela se abaixou e fez algo com a mão que ele claramente não estava preparado. Seu corpo inteiro ficou tenso. Ela riu enquanto suas mãos com garras de repente estavam em sua cintura, os dedos cavando em seu cabelo escuro pendurado em seus olhos; sua pele brilhava com o suor. Mais cedo, ela havia fechado os seus próprios olhos: desta vez ela o viu, a mudança em sua expressão como quando seu controle se perdeu, a forma de sua boca quando ele engasgou seu nome.

"Tessa"

E desta vez ela se esqueceu de morder a mão para abafar os sons que fazia. Oh, bem. Danem-se os vizinhos. Ela tinha estado em silêncio por quase um século.

"Talvez foi mais
 rápido do que minha intenção", disse ele com uma risada, quando eles estavam deitados juntos depois, entre as almofadas. "Mas então, você me enganou. Você é mais experiente do que eu".

"Eu gosto disso". Tessa beijou seus dedos. "Eu vou me divertir muito te mostrando tudo. Eu mal posso esperar para você ouvir
 rock and roll, Jem Carstairs. E eu quero ver você tenha um iPhone. E um computador. E ande de metrô. Você já esteve em um avião? Eu quero estar em um avião com você".

Jem ainda estava rindo. Seu cabelo estava uma bagunça, e seus olhos eram escuros e brilhantes à luz do lampião. Parecia com o menino que tinha sido, há muitos anos atrás, só que diferente, também: essa era um Jem que Tessa tinha apenas começado a conhecer. Um jovem, um Jem saudável, não um menino morrendo ou um Irmão do Silêncio. Um Jem que poderia amá-la com tanta força quanto ela poderia amá-lo de volta.

"Vamos pegar um avião", disse ele. "Talvez para Los Angeles".

Ela sorriu. Ela sabia por que tinha que estar lá.

"Nós temos tempo para fazer tudo", disse ele, escorregando um de seus dedos ao lado de seu rosto. "Temos a eternidade".

Não a eternidade, Tessa pensou. Eles tinham um longo, longo tempo. Uma vida inteira. Sua vida. E ela iria perdê-lo um dia, como tinha perdido Will, e seu coração se partiria, como tinha se partido antes. E ela iria se recompor novamente e seguir em frente, porque a memória de ter tido Jem seria melhor do que nunca ter tido ele.

Ela era sábia o suficiente para aquilo, agora.

"O que você disse antes", ela perguntou. "Que Jace Herondale ama Clarissa Fairchild mais do que alguém que você conheça, exceto alguém - você nunca terminou a frase. Quem?"

"Eu ia dizer você e eu e Will", disse ele. "Mas - é uma coisa estranha de dizer, não é?"

"Não totalmente estranho". Ela se aconchegou ao seu lado. "Exatamente certo. Sempre e  para sempre, exatamente certo".

* * *
DUDE
Essa história se passa após o epílogo de A Princesa Mecânica. Não está no livro e nem tem previsão de ser lançado em algum futuro livro. Cassandra Clare postou esse extra em seu Tumblr pessoal, você pode ler o texto original aqui:AFTER THE BRIDGE

Nenhum comentário:

Postar um comentário